Oscar Mendes Filho é um veterano mestre do terror, com um dom (sobre?)natural para despertar MEDO e prender o leitor em seu universo ao mesmo tempo fascinante e repleto de pavores. Para mim, é uma referência obrigatória e com quem, através dos seus textos, tenho aprendido muito. Ele é autor e editor dos seus livros, que são vendidos pela Amazon em formado digital. Já possui doze títulos publicados, entre eles “Sombras do Castelo” que usa um importante marco da cidade de São Paulo como pano de fundo, o Castelo da Rua Apa, além de duas obras que relatam histórias verídicas, “Relatos Macabros” e “Relatos Macabros – Volume 2”, enviadas por seus leitores para a criação das obras.

Oscar Mendes mantém o blog Prisioneiro da Eternidade, de onde eu trouxe esse conto, um dos mais leves dele. Visitando o blog Prisioneiro da Eternidade você terão uma experiência bem mais INTENSA, digamos… Arrisque-se, que vale a pena! (link no final do texto)

Morgana vampira

DESEJO NOTURNO

Ainda na adolescência, quando normalmente as pessoas começam a pensar por conta própria, Morgana já discordava dos dogmas que lhes eram passados pela avó, que a criara.

Católica fervorosa, ela acreditava que os ensinamentos bíblicos poderiam sanar todos os anseios que a neta demonstrava ter, como fizeram com ela, um dia.

Cada um deveria ter o direito de seguir pelo caminho que julga ser o melhor, sem imposições, mas esse pensamento não era partilhado pela velhinha. Não que ela fizesse por maldade, esse era o único caminho que ela conhecia para fazer com que a neta fosse uma “moça direita”.

Mas havia algo no íntimo da menina que não aceitava todas aquelas histórias do livro sagrado. Algumas coisas não pareciam lógicas, não se encaixavam e não respondiam de forma satisfatória às questões que tinha. Não se tratava de rebeldia, mas sim de encontrar algo que a completasse, que lhe fizesse bem.

Em busca de algo que realmente atendesse aos seus anseios, Morgana passou a procurar as respostas por conta própria.

Morgana, nome de uma sacerdotisa da ilha de Avalon, segundo os contos do Rei Arthur. Ela parecia ser predestinada desde que recebera esse nome. A verdade que tanto buscava encontrar não seria revelada pelos meios “convencionais”.

Enveredou por caminhos perigosos. Caminhos que a deixaram diante de criaturas terríveis, fizeram-na lidar com energias obscuras… Mas que ainda não apaziguavam seu espírito, fazendo-a seguir por outros rumos.

Ao se deparar com a Wicca ela encontrou a paz que sua alma desejava.

Porém, os caminhos errôneos que trilhara haviam lhe deixado marcas que ignorava.

Em seus estudos ela conheceu um tipo de ser que de imediato lhe despertou profunda paixão: o vampiro.

Na ânsia de se encontrar com um deles Morgana costumava passar diversas noites em claro, em frente à sua casa, vendo as estrelas, esperando algum contato. Porém, essa foi uma busca infrutífera, e ela jamais teve sinal de algum da existência deles.

A vida seguiu seu curso. Morgana se casou, teve um filho e passou a levar uma vida comum, mas sem jamais abandonar os rituais que acalmavam seu coração e seu espírito.

Mais de vinte anos se passaram desde seu primeiro contato com a religião da grande Deusa. Apaixonada por seu filho, por sua religião e pela vida, ela não tinha maiores anseios além da paz de espírito que já possuía. Até que em uma única noite tudo mudou.

O marido e o filho viajaram e ela passaria alguns dias sozinha.

Isso não a angustiava, pelo contrário, era a chance de poder se dedicar às práticas comuns de todo wiccan, sem a necessidade de explicações.

Já era madrugada e Morgana, após sua integração com a Deusa, dormia tranquilamente. Estava em paz consigo mesma e com o universo, mas não estava sozinha.

Defronte à sua cama algo admirava seu belo corpo nu, envolto apenas em lençóis brancos, entregue ao reino de Morfeu.

Em seus olhos havia um misto de carinho e desejo. Provavelmente nem ele mesmo saberia explicar o que sentia.

Mas os instintos de Morgana, como os de toda wiccan, gritaram alto, fazendo-a acordar.

Aquele que até então velava seu sono não fez menção alguma de se retirar. Permaneceu ali, de pé, contemplando seu despertar.

Assim que abriu os olhos ela o reconheceu. Como? Não saberia dizer, mas de algum modo ele lhe era familiar, mesmo nunca tendo se encontrado com ele.

Um misto de surpresa, curiosidade e desejo lhe invadiu a alma.

  • O que faz aqui? – ela se reergueu, cobrindo seu busto com o lençol quase transparente.
  • Admirando-a, bela Morgana.

Ela acendeu as luzes, mas ele se manteve impassível.

Não era bonito, como retratavam as diversas obras acerca deles. Ao contrário, suas feições eram de certo modo grosseiras. Sua pele era extremamente pálida e deixava suas veias à mostra, num contraste repulsivo. As pupilas amareladas brilhavam como as de um gato e a cabeça quase careca tinha um ralo filete de cabelos ruivos, uma espécie de moicano.

Ainda que a aparência dele fizesse-a sentir vontade de correr, seu olhar e tom de voz a seduziam. A energia que dele emanava era única. Despertava tranquilidade, prazer e fúria, uma mistura impossível de estar presente em um humano, não de uma forma tão intensa.

  • Por que agora? Há anos eu não me conteria de felicidade em me encontrar contigo, mas hoje…
  • Se assim deseja, eu posso me retirar.

  • Não, não é isso, apenas queria entender.

  • O que gostaria de entender, Morgana?

  • Ele sabia seu nome, e ela ficou admirada. Não era a toa que ele estava ali.

    Amistosamente o vampiro sentou-se à beira da cama.

    • O que o trouxe até mim? Por que agora?
  • Pude ouvir seus chamados, há certo tempo atrás. Foi impossível manter-me indiferente a eles.

  • E por que não os atendeu?

  • Como sabe que não fiz isso? Afinal, estou aqui diante de ti, não estou?

  • Sim, mas eu o desejava muito na época, mesmo sem saber quem era, desejava estar contigo mais que tudo, mesmo assim nunca veio até mim.

  • E não deseja mais?

  • Ele já sabia a resposta, seu olhar denunciava isso. Era como se ele conhecesse cada segredo seu.

    Embora durante muitos anos ela tivesse abandonado a procura pelos vampiros, ainda os desejava. E mesmo sem ela confessar, ele sabia.

    • Sim… – havia timidez em sua voz.

    Um profundo silêncio se seguiu, como se ambos aguardassem a reação um do outro.

    • Mas por que agora?
  • Agora você é uma mulher, não mais uma garota perdida buscando respostas. Já as encontrou e é capaz de tomar decisões sem arrepender-se.

  • Ele tinha razão, ela amadurecera muito desde as noites insones à espera de um deles. A vida a fizera amadurecer, o filho, a Deusa… agora ela era outra pessoa, era uma mulher.

    Inexplicavelmente seus olhos se encheram de lágrimas. Talvez por ele, uma criatura milenar, reconhecer a mulher que se tornara, valorizá-la e, como era inegável em seu olhar, deseja-la.

    “És capaz de tomar decisões sem arrepender-se.”

    Teria enfim chegado o dia pelo qual ela, durante tantos anos, ansiou?

    • O que deseja de mim? – a voz de Morgana estava embargada, não por medo. Ela não saberia explicar o motivo, era como se sua alma quisesse gritar, fugir, não mais cabendo dentro daquele corpo.
  • Se esse for seu desejo, quero que venha comigo. – os olhos do vampiro estavam fixos nos dela, como se através daquele olhar ele desvendasse todos seus segredos.

  • Por que eu? Por que agora? – seu espírito gritava para que se atirasse nos braços dele e assim seguirem até o fim do mundo, mas o pouco de racionalidade que ainda existia teimava em encontrar explicações.

  • Agora você já cumpriu o seu papel, Morgana. Tem um filho já adulto, criado. Encontrou a paz que tanto almejava. Hoje você já é capaz de decidir se lhe convém ou não seguir comigo, como minha companheira. E por que você? Porque a desejo desde que clamaste por mim, anos atrás. Porém você era uma garota, ainda tinha muito o que aprender, muitas realizações por conquistar. Agora que já conquistou tudo o que desejava pode decidir com segurança se vale a pena abrir mão de tudo isso e seguir comigo. É um caminho sem volta.

  • Morgana estava pensativa.

    • Por que você, bela Morgana? Sua beleza só cresceu desde que me chamou. Por dentro e por fora, mesmo que não tenha consciência disso, você é muito mais bela do que era naquela época. Hoje você está pronta para mim, e a desejo muito.

    Morgana não sabia o que dizer. Em sua busca pela paz de espírito acreditava não ter mais dúvidas quanto à vida ou à existência, mas naquele momento percebeu que um novo horizonte se abria diante dela, que ainda tinha muito o que aprender. Porém, para trilhar esse novo caminho, ela teria que abrir mão de tudo que realizara, de tudo que se tornara.

    • Não, minha bela. O que você construiu e o que se tornou jamais se perderão. Seu filho carrega sua essência, os ensinamentos que passou para ele, e isso jamais será apagado. Assim como a bela mulher que se tornou. Você carregará essa luz por onde quer que vá, nada será perdido, tudo o que viveu até aqui não foi em vão.

    O imortal a olhava com carinho, enquanto aguardava sua decisão. Ele já sabia qual seria, caso contrário não teria ido até ela. Ele a conhecia, mais do que qualquer um. Seguira cada passo de Morgana desde que ela profundamente desejou se encontrar com ele.

    Porém, havia a necessidade do consentimento. Ele não poderia força-la a nada, e nem era esse seu desejo.

    • E se eu aceitar, como será isso? O que terei que fazer?
  • Tornarei-a minha companheira. Serás como eu, e partiremos daqui assim que isso acontecer. Seu espírito se tornará receptivo a sensações inconcebíveis a um humano. Perceberá a existência de tal maneira que sua atual condição é incapaz de compreender.

  • O vampiro estava certo: Morgana agora estava pronta.

    Sem dizer nada ela deixou o lençol deslizar por seu corpo nu. Charmosamente jogou a cabeça para o lado e lhe ofereceu o pescoço.

    A calma do ambiente cedeu então à fúria da mordida transformadora.

    Os instintos. Presentes por séculos eles se sobrepunham a qualquer racionalidade, a qualquer sentimento. Quando tudo se apaga apenas eles prevalecem, a mais primordial essência de qualquer criatura, aquela que lhes garante a sobrevivência.

    O carinho e a calma que até então transbordavam do vampiro desapareceram por completo. Num único movimento ele enterrou seus caninos no aveludado pescoço de Morgana e sorveu seu sangue, sua essência, como se fossem um néctar divino.

    Não, ela não gritou. Ao aceitar a tentadora oferta sabia o que a esperava.

    Um clarão tomou conta da sua visão e seu corpo estremeceu. Era como se um raio a atingisse.

    A luz e o êxtase subitamente deram lugar ao mais profundo nada. Tudo se apagou.

    Quando enfim despertou, Morgana não sabia por quanto tempo estivera inconsciente, mas era noite.

    Sentiu enorme alívio ao perceber que não estava sozinha. O vampiro aguardava seu despertar.

    Mesmo com as luzes apagadas ela distinguia cada objeto dentro do quarto. Não sentia frio, calor ou dor.

    Conforme ele lhe explicara, a existência vampírica era difícil de ser compreendida por um humano. Agora ela compreendia suas palavras. Tudo estava diferente.

    Morgana percebeu que não estava mais nua. O novo companheiro a vestira com um belo vestido roxo.

    Ela o encarou e sorriu. Estava maravilhada.

    • Obrigada.

    Em seu semblante sisudo o vampiro esboçou um sorriso, enigmático e encantador, no mesmo instante em que lhe estendeu a mão.

    Morgana cedeu ao singelo gesto e pôs-se de pé, sendo conduzida então para a porta.

    Ninguém teve mais notícias dela, a garota simplesmente desaparecera.

    Morgana deixara sua vida mortal, mas em troca recebera a chance de seguir por uma existência eterna.

     

    Autor: Oscar Mendes FilhoPrisioneiro da Eternidade

    Anúncios